Páginas

23 de maio de 2012

Filtro

E no fim daquela cor
delicada, ternamente
fui até ti e disse
que o meu amor,
semente,
por mais que eu fingisse,
seria para sempre vapor,
antes ou depois que o zíper abrisse.

*Poema exposto em pôster na inauguração da Biblioteca del Capítulo de Fredericton de la Academia Iberoamericana de Poesía, no Canadá, no dia 29 de outubro de 2009 e lido no Recital Poético Poemas Pela Paz, em Fredericton, Canadá, no dia 26 de setembro de 2009.

Um comentário:

  1. Que beleza! Musical e de uma ternura incisiva... É bom descobrir nos teus versos o mesmo talento que demonstras em prosa.

    ResponderExcluir